Você sabe como é o centro de Quito, capital do Equador?

Oi, meu povo!!

Quito é a capital do Equador, um dos poucos países que não fazem fronteira com o Brasil. Eu nunca tinha pensado em passar por essa cidade, porém os planos mudam, e posso dizer que fiquei surpreendido com o nível de conservação dos edifícios em pleno centro da cidade. Achei o lugar limpo e arrumadinho.

Repara só o nível de limpeza do chão bem no centro da cidade de Quito. Nem sei por que estava usando esse óculos com esse tempo no dia. Acho que foi para ficar mais bonito na foto.

Escultura em Quito. No fundo uma paisagem com nuvens e montanhas, dignos de um quadro na parede no meio da sala de estar.

Quando fui para o centro de Quito, o dia estava nublado, mas isso não tirou a beleza da arquitetura do lugar. O centro não é grande, com pouco tempo você consegue percorrê-lo. Uma programação que eu indico é o Free Walking Tour, altamente recomendável para você fazer um passeio guiado sem um custo fixo. Você que determina com quanto pode colaborar no fim. Para fazer esse passeio, será necessário se informar com alguém da prefeitura pelo centro. Não é difícil de achar o local. Só recomendo que chegue cedo, pois as vagas são limitadas.

Olha que centro top. O friozinho estava reinando na cidade, enquanto isso, todo mundo em paz e em harmonia vivendo a própria vida numa manhãzinha de dia de semana.
Teatro Municipal de Quito. Bonito, né?

Olha esses edifícios. Já viu uma coisa tão bem conservada em um centro?

Além de ter um trabalho de jardinagem elegante na pracinha. O centrinho é cheio de lojinhas para qualquer conveniência. Vale a pena fazer um passeio e de lá engatar com Museu do Meio do Mundo, onde fica a linha do Equador. Mas só vai valer a pena, se você estiver cedo no centro, tipo umas 10 da manhã, almoçar lá e então ir para “o meio do mundo”. Tem ônibus do terminal do centro que passa em frente.

Só um cara com um violão teve coragem de ficar parado no friozinho que estava em Quito no dia

Um passeio rápido pelo Parque Ibirapuera, em São Paulo

O Parque do Ibirapuera é uma joia da natureza em uma cidade gigante e urbanizada como São Paulo. Se você vai conhecer a capital, esse é um ponto essencial para visitar e sentir umas das melhores opções de lazer ou até mesmo a melhor. Vai depender do seu gosto.

Em frente ao parque, tem o icônico Monumento às Bandeiras, inaugurado em 1953

Se você gosta de praticar exercícios físicos como andar de bicicleta, correr ou apenas passear, o que não vai faltar é espaço.

Vista do lago do parque em um fim de tarde nublado

O espaço verde é enorme, essencial para dar uma respirada e relaxada mais profunda em uma cidade tão agitada como São Paulo. Eu morei a vida inteira em SP, mas só fui visitar o Ibirapuera pela primeira vez com 20 anos.

Aluguei a minha bicicleta e saí para curtir a paisagem

Nessa área coberta, diversas pessoas passam o tempo patinando, apenas conversando e até mesmo fazendo batalha de rap que acontecia nos fins de tarde, no domingo, antes da pandemia.

Você conhece Guaiaquil, no Equador?

O Equador é um dos poucos países da América do Sul que não faz fronteira com o Brasil. A cidade de Guaiaquil é a mais populosa do país e está localizada a quase uma hora do litoral. A moeda oficial é o dólar, então não fica muito bom para quem quer economizar neste momento. O centro tem uma praça na orla do rio Guayas, o que deixa o passeio bonito.

Um dos passeios bons de se fazer em Guaiaquil é pela beira do rio, onde está próximo o porto Santa Ana. Com poucos passos, você vai ver até uma roda gigante que proporciona uma vista panorâmica. Além disso, a escada com 444 degraus, perto da orla, que leva para o alto da região de Las Peñas, também é um programa para não perder.

O centro de Guaiaquil oferece uma bela vista do rio e uma visita por alguma lojinha de conveniência ou lanchonete ali perto. Nos fins de semana, à tarde, essa região fica efervescente. Não recomendo passear por lá muito tarde, nem em qualquer lugar, porque pode se tornar menos seguro.

O monumento acima representa a reunião entre os líderes Bolívar e San Martín. O encontro teve como propósito a libertação de vários países da América que estavam sob o domínio espanhol. O episódio é lembrado como a Conferência de Guayaquil.

Ao se aproximar do entardecer, as luzes começam a dar um ar mais elegante para essa parte da orla, também conhecida como Malecón. A roda gigante se tornou um dos pontos turísticos de Guayaquil desde 2016, quando eu estava na cidade.

Andando mais um pouco para o lado esquerdo da orla, bem depois da roda gigante, você encontra outro ponto para conhecer: o bairro Las Peñas.

Esse é começo do caminho para o topo do morro de Las Peñas. Quando você chegar lá em cima, terá uma vista bem ampla da cidade. Vale a pena subir todos os 444 degraus. Você só não pode ter pressa.

Depois de um exercício físico, é essa a vista que você consegue no topo de Las Peñas à noite.

Como é o centro de Cusco, no Peru

Cusco é uma pequena cidade conhecida por receber os muitos viajantes que vão para lá como uma parada até Machu Picchu. As diversas opções de transporte até as famosas ruínas incas é o que torna o lugar tão cheio de gente. Além disso, a praça principal chamada de “Plaza de Armas” tem um trabalho de jardinagem bonito e é cercada de comércios como lojas, agências de viagem, restaurantes, hostels e hotéis. Os museus também não ficam de fora.

Pelo o que eu me lembre, cheguei por em Cusco em meados de outubro. De dia faz um sol agradável, porém leve a sua jaqueta para passear à noite, pois o frio se faz presente.

Primeiro dia em Cusco e já fui tirar a minha foto em frente à fonte da Plaza de Armas

A jardinagem em Cusco é um exemplo de elegância em uma praça tão bonita e conservada em pleno centro da cidade
Fim de tarde na Plaza de Armas no centro de Cusco, o friozinho já começa a aparecer

Próximo do centro, fica o mercado principal. Lá você encontra diversas lojinhas para comprar lembranças. Na hora da fome, os pratos típicos são um ponto forte do local. Os preços dos cardápios são bem convidativos.

Além de Machu Picchu, existem diversos passeios que ficam próximos da cidade. Não vão faltar pessoas para te oferecem pacotes turísticos para diversos locais. Para Machu Picchu, eu não recomendo o transporte de van, é muito cansativo e me deixou muito tonto por causa da altura. É melhor se planejar para ir de trem. Para esse trajeto, realmente não compensa economizar.

Dá para comprar a entrada de Machu Picchu em um museu da cidade. Agora não estou lembrando qual museu foi, mas, se você entrar em um museu e perguntar onde vendem o ingresso para Machu Picchu, vão te informar.

Arredores da Plaza de Armas à noite

Próximo da Plaza de Armas tem a Avenida El Sol, imperdível para dar uma passeada. Lá você encontra algumas esculturas e artes que remetem aos incas. Existe também um museu nessa avenida. A caminhada por essa região não é muito longa.

Praça perto um chafariz com um muro artístico na Avenida El Sol
Frente do Chafariz na Avenida El Sol e o friozinho começando a aparecer
Vista atrás da quedas das águas no chafariz

Praça no meio da Avenida El Sol

Parede com artes de personagens históricos do Peru

Existe uma variedade de museus espalhados por Cusco. Mas, como estou falando da Avenida El Sol, vou mostrar a vista da região que eu tive ao visitar o Museu do Monumento Inca Pachacutec. Lá você encontra diversas artes e instrumentos usados antigamente pelo povos antigos.

Vista da Avenida El Sol de um dos museus de Cusco, o Monumento Inca Pachacutec

Como é o pôr do sol em Viña del Mar, no Chile

Um dos finais de tarde mais bonitos que já vi no Chile foi em Viña del Mar. Você consegue observar o sol se pondo no mar, é lindo. O lugar, apesar de ser praia, não é um destino para quem quer dar um mergulho por causa das águas gelaaaadas. No entanto, essa região não perde o seu encanto. Indo de Santiago, você pode levar até uma 1h30 para chegar. Essa cidade fica do lado de Valparaíso.

Escultura de frente ao mar em Viña del mar

O interessante de Viña del Mar é que a natureza litorânea está próxima de uma urbanização elegante. Você encontra ruas bem conservadas, prédios residenciais modernos e diversas opções de comércios. Eu fiquei uns sete dias lá. Até que é bastante tempo, mas precisava de um lugar mais tranquilo para terminar o meu e-book: As Aventuras de um Jovem Chamado Adriano Ferreira. Mal sabia eu que muito mais aventura estava vindo pela frente.

No dia dessa foto, eu tinha tinha perdido o horário de me encontrar com uma brasileira e um chileno, então fiquei por ali, tirando fotos
Apenas parava, sentava, respirava e contemplava
O frio que faz não impede de observar esse espetáculo do fim de tarde. Eu simplesmente amava passear nesse horário em Viña del Mar por isso

O que eu aprendi em um ano de Florianópolis

Eu não imaginava que pudesse ficar tanto tempo em Florianópolis, e isso é uma das boas surpresas que tive. Percebi mais uma vez que os meus planos podem mudar para melhor, afinal foi isso o que aconteceu. Eu só não imaginava isso.

Me lembro de quando cheguei pela primeira vez aqui, no meio da pandemia, em maio de 2019. Aquele rapaz cheio de vontade de se mudar para uma nova cidade, se deparou com um friozinho de fim de tarde e um apartamento aconchegante no bairro de Canasvieiras. Um novo lugar sempre traz um novo ar, um pensamento mais arejado, novas expectativas.

Eu tava doido mesmo era para me esbaldar nas praias paradisíacas que tanto tinha visto pelas fotos. No entanto, as águas frias, por causa da estação, não me deixaram mergulhar pelos próximos cinco meses.

Eu já estava começando a ficar frustrado quando o mês de outubro chegou, e ainda não tinha dado um mergulho naquela água clara de Canasvieiras. Paciência, isso foi outra coisa que tive que aprender. Tudo tem o seu tempo. O frio também me fez aproveitar bastante o meu cobertor, umas bacias de pipocas que fiz e os filminhos no fim de semana ou no fim da noite no sofá.

Em um belo dia, quando o sol estava raiando bastante quase no fim de outubro, tive certeza que tinha que ser aquele dia que eu deveria estrear o mar de Florianópolis. Fazia um sol mais forte que o comum. Depois que caminhei um pouco pela praia, tchibum!!! Dei um mergulho!! Aleluiaaaaa!!!! Imagina a minha alegria! A minha felicidade não tinha nem como ser calculada! Mas essa primeira vez não durou muito, porque não aguentei ficar mais tempo na água com aquela sensação de frioooo, mesmo em um sol mais forte que o normal.

Consegui aproveitar mesmo e me esbanjar no fim do mês de novembro em diante, quando já tinha me mudado de bairro, de Canas fui para os Ingleses. A vista da praia aqui tem uma paisagem fora do comum, principalmente pelas dunas no canto do lado direito. Então nem preciso dizer que quase marinei na água, né. Visitei várias outras praias lindas no verão (Daniela, Praia do Forte, Gaivotas e Praia Brava), onde finalmente senti que estava aproveitando a Florianópolis que queria e hoje estou satisfeito com a minha estadia na cidade.

Além das belezas naturais, vi que os relacionamentos são importantes. Os amigos mesmo distantes conseguem manter uma parceria, serem presentes, nem que seja para um apoio moral. Saber valorizar essas pessoas é essencial para se manter mais forte.

Outra coisa que aprendi foi fazer a minha parte, não importando se a outra pessoa foi ou não sincera. É difícil ser assim? Lógico, porém Deus é justo, ele é quem faz a luz brilhar ainda mais em um momento de escuridão. Eu sou testemunha de que coisas maravilhosas e inesperadas acontecem. Por isso, a esperança nunca pode morrer.

Feliz e satisfeito em um dia na Praia do Forte em Florianópolis

Conhecendo o Parque de las Luces, à noite, em Medelim, na Colômbia

No centro de Medelim, existem vários lugares interessantes e diferentes para conhecer. Um local para visitar à noite é o Parque de Las Luces. A região estava policiada, pelo menos quando eu fui. Ainda assim não recomendo ir tarde, o ideal é pegar o comecinho da noite para ver os postes iluminados.

Lá vai eu passeando só para ver os postes acesos do Parque de las Luces

Quem gosta de andar de metrô, não vai achar difícil chegar lá. Tem uma estação perto do local.

O centro de Medelim à noite, nessa região do Parque de las Luces, tem lugares para comer alguma coisa

Bem diferente essa praça

Os “nãos” e o desânimo

Ninguém gosta de receber um não. Quem é que vai apostar com a certeza de que não vai conseguir se dar bem? Mas infelizmente existem pessoas que mesmo que apostem, antes de falar qualquer coisa, já dizem “não” ou desistem. 

Antes de tentar fazer alguma coisa é “não”. Não consigo, não posso. Não dá certo. Não. Não. Não. Se a própria pessoa já está dizendo que não. Imagina os outros?


Para ganhar, é preciso primeiro dizer sim pra si mesmo. Eu consigo SIM, eu posso SIM. Infelizmente existem pessoas que mesmo que comecem a fazer algo, parece que se colocam para baixo sozinhas com tantos nãos. Já basta os nãos inevitáveis que a própria vida nos dá.


Numa caminhada ninguém nunca vai encontrar tudo tranquilo no caminho. Vão existir trechos que terão montanhas para atravessar, e, em outros, rios para nadar. Se você para e diz que não consegue, então não vai prosseguir e nem chegar até o seu destino. Muitas vezes o destino está lá esperando para que a gente comece a dizer sim, e depois ultrapassar todas as barreiras que pareçam que vão nos parar.

Faz parte também o “não”. A forma como reagimos com ele é que pode ser o nosso combustível para a nossa força ou então ser um desmotivador que só vai acabar com os nossos objetivos.


Não vai ser fácil. 

Falar é mais fácil que fazer, né?

Semana passada. Eu estava bem desmotivado para ir na academia treinar. Mas mesmo assim, eu fui. Comecei a fazer os exercícios em um estado de ânimo bem baixo, porém eu estava lá fazendo. De repente, quando estava no meu terceiro exercício, um cara fortão passa por mim e fala que, se eu continuasse a fazer os exercícios daquele jeito, eu iria ficar que nem ele. Eu não esperava receber tamanho incentivo. Sinceramente eu não quero chegar exatamente no porte físico dele, que é todo grandão, mas quero sim evoluir nos treinos. E é isso o que acontece quando a gente não desiste. Acontecem coisas que vão ajudar a dar um empurrãozinho.

Quando estamos desanimados, precisamos aprender a usar as nossas forças para seguir em frente. Podemos. Um dia conseguiremos chegar nos objetivos. Pensar que vamos alcançar no tempo certo o que queremos é essencial. Depois de cada semente, que foi plantada com lágrimas, cada fruto colhido servirá para dar muita alegria.

Olhe para o céu e diga um sim para você
Ingleses, Florianópolis

Indo no Jardim botânico Lankester, na Costa Rica

A Costa Rica tem praias belíssimas e também tem uma natureza rica. A sua biodiversidade representa 5% do que existe em todo o território mundial. Então lá fui eu conhecer algo diferente das praias: o Jardim Botânico Lankester, que fica na cidade vizinha de Cartago, a meia hora de São José, capital do país, onde eu estava hospedado.

Fachada do Jardim Botânico que fica em Cartago

O transporte que eu recomendo é o de trem que vai proporcionar uma vista rica da natureza da região. É preciso ficar atento nos horários. Aqui vai a tabela para ajudar, essa tabela é de 2018, vale a pena conferir se os horários se mantiveram com a Incofer, responsável pela programação. Se você quiser ir de ônibus, no centro da cidade de San José, tem várias linhas que vão constantemente para Cartago.

Horário do transporte de trem, saindo de São José para Cartago

Horário do transporte de trem, saindo de Cartago para São José

O Jardim Botânico Lankester não é muito grande, porém vale uma visita para apreciar a riqueza da fauna costarriquenha. Tem até uma parte do jardim com influências orientais.

Fonte com escultura de pedras arredondadas

Início do passeio perto da entrada do Jardim Lankester

Fonte no meio da fauna do jardim

Caminho com muros de bambu para a parte oriental do jardim

Pequena casa na parte oriental do passeio

Ponte vermelha em estilo oriental

Aproveitando o pôr do sol, em Puerto Viejo, na Costa Rica

A primeira cidade em que eu cheguei na Costa Rica foi Puerto Viejo. Eu estava em Bocas del Toro, no Panamá, e tive que pegar um barco para a cidade costarriquenha. O trajeto não é longo. A cidadezinha praiana é repleta de natureza. Prepare-se para respirar um ar mais puro e entrar no clima relaxante dos moradores que celebram a vida com o bordão: Pura vida.

Primeiro dia na Costa Rica. Já fui me jogando no mar na cidade de Puerto Viejo

Aproveitei o fim de tarde em Puerto Viejo para conhecer a praia local, no entanto, as praias mais bonitas estão próximas de Puerto Viejo. Fui em uma linda que se chama Punta Uva.

A praia do centro de Puerto Viejo é apenas um aperitivo para as visitas às praias ao redor

Uma dica importante é se informar com as opções de transporte com o seu hostel antes mesmo de chegar em outra cidade ou país. Eu acabei comprando uma passagem pela internet que custou o dobro do valor cobrado pelos hostels locais. Então, se quiser saber como chegar em algum lugar (de uma cidade para outra, por exemplo), mande um e-mail para a sua hospedagem perguntando as opções.

Um dos mais belos pores do sol que já vi numa praia

Relaxando um pouco na areia de Puerto Viejo